Clipping

Doenças crônicas vão pressionar SUS

Aumento da população idosa vai requisitar mais recursos para tratamento especializado
Érica Ribeiro
Este endereço de email está sendo protegido de spambots. Você precisa do JavaScript ativado para vê-lo.

O Brasil está 40 anos defasado, em relação aos países desenvolvidos, quando o assunto é atendimento público de saúde. Os recursos disponíveis, que correspondem a 8% do Produto Interno Bruto (PIB) são insuficientes para uma população estimada em 190 milhões de habitantes. Segundo Marcos Bosi Ferraz, diretor do Grupo Interdepartamental de Economia da Saúde da Unifesp e professor adjunto da Escola Paulista de Medicina, no caso dos idosos, que correspondem a 9,5% da população, os problemas de atendimento poderão se agravar, tendo em vista que esta população deverá aumentar em 50% nos próximos 20 anos. Na França, por exemplo, se passaram quase cem anos para que população de idosos dobrasse.

"O Brasil terá um crescimento muito mais acelerado de idosos e ainda não discute a relação entre qualidade e quantidade de vida da maneira que deveria", alerta Ferraz. Segundo ele, dos 3,8% do PIB que são aplicados no Sistema Único de Saúde (SUS), pouco é direcionado para resolver problemas antigos e os que já batem à porta, em decorrência do aumento da expectativa de vida da população.

"Neste ambiente de 190 milhões de brasileiros, este percentual corresponde ao valor de uma passagem de ônibus ida e volta por habitante. Com esses recursos é difícil atender à demanda da população, sobretudo esse grupo que está envelhecendo mais rápido", diz.

Ele destaca que, além do déficit financeiro, a gestão dos recursos públicos é ineficiente. Ferraz diz que não basta construir hospitais, é necessário também investir em equipamentos, manutenção e na contratação de profissionais.

"Dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) mostram que a cada cinco pacientes com mais de 60 anos, quatro têm pelo menos uma doença crônica. No geral, 31% dos brasileiros são portadores de alguma doença crônica, enquanto em países desenvolvidos. Nos países desenvolvidos 45% da população registra o mesmo perfil. Isso significa que, ao avançarmos na expectativa de vida, vamos acumulando progressivamente mais doenças", explica o especialista.

Para o presidente da Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina, Rubens Belfort, os dados do IBGE mostram que o país hoje controla doenças que antes matavam mais cedo, caso das infecções, e já demanda investimentos em doenças crônicas e degenerativas. Segundo ele, pesquisas mostram que um idoso pode tomar em média 20 medicamentos por dia.

Sobre nós

A SPDM-Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina é uma das maiores entidades filantrópicas de saúde do Brasil, atuante em 7 estados, com aproximadamente 40 mil funcionários e com a vocação de contribuir para a melhoria dos serviços médicos prestados à população.

Contato | Newsletter

Rua Dr. Diogo de Faria, 1036 | Vila Clementino
Cep: 04037-003 | Telefone: (11) 5549-7032