Dica Cultural

O amor cura sabia? Melhor é Impossível!

O amor cura sabia? Melhor é Impossível!

Melhor é Impossível pode até parecer uma escolha estranha para a nossa Dica de Cultura, mas ele conta uma história de amor improvável, onde o amor é o catalisador de mudanças nas pessoas – e o tratamento que cura.

Uma palavra poderia descrever Melvin Udall: insuportável. Não fosse o fato de ele ser interpretado por ninguém menos que Jack Nicholson. É um obsessivo-compulsivo que não faz nenhum esforço para ser agradável: é preconceituoso, humilhações e insultos – como chamar uma garçonete de “mulher-elefante” – saem de sua boca com a maior facilidade. Jogar o cãozinho do vizinho na lixeira do prédio é apenas Melvin sendo Melvin.

Quanto mais o filme vai passando mais o espectador vai esperando com prazer antecipado a próxima tirada. Ver Melvin andar pela rua é um divertimento à parte: suas manias o impedem de pisar em rachaduras ou listras na calçada. E ele tem que lidar com seu vizinho Simon (Greg Kinnear), um pintor gay que possui um cachorrinho insuportável para seus padrões de higiene.

O trabalho dele, no qual estranhamente faz bastante sucesso, é escrever sobre o universo feminino – ao ser questionado sobre de onde tira inspiração para falar de mulheres, ele responde: "penso em um homem e elimino qualquer traço de racionalidade e lógica dele". Só duas coisas o tiram de casa: o almoço no restaurante e consultas com o psiquiatra. E é no restaurante que conhece Carol (Helen Hunt), a única garçonete que aceita que o sirva. E é ela quem muda tudo na sua vida.

Carol parece ser a única pessoa que não se importa com as grosserias de Melvin, desde que não seja sobre seu filho, e até o defende para o dono do restaurante. E é exatamente ela que toca seu coração.

Melvin, Carol e Simon são improváveis companheiros de uma viagem que parece não ter fim, até que, em determinado ponto, o espectador é presenteado com uma das mais bonitas declarações de amor. O escritor e a garçonete estão jantando em um restaurante, quando ela cansada de tantas grosserias lhe dá um ultimato: quer apenas um único elogio sincero.

Melvin começa: "eu tenho um transtorno. Meu médico, um psiquiatra que eu via sempre, me disse que em 50% ou 60% dos casos, um comprimido realmente ajuda. Eu detesto comprimidos. São muito perigosos. Eu odeio. Estou usando a palavra 'odeio' a respeito de comprimidos. Odeio. Meu elogio é: na noite que você veio em casa, e disse que nunca... Enfim, você estava lá, você sabe o que disse. Enfim, o meu elogio para você é: na manhã seguinte, eu comecei a tomar os comprimidos".

Carol: "Não entendo como isso é um elogio".

E Melvin apaixonado responde: “Vo....”, achou que iríamos estragar esse momento? Lógico que não! Assista e se derreta.

Já contamos aqui muito do filme, que é engraçado e merece ser visto, não só pela interpretação dos atores, que é de tirar o chapéu, mas pela transformação de um homem odioso em alguém capaz de olhar além do próprio umbigo e de amar.

Melhor é Impossível (As Good As It Gets, 1998), dirigido por James L. Brooks, com Jack Nicholson, Helen Hunt, Greg Kinnear.

 3276
(1 Votar)
   
   

logo IBROSS
  Filiada ao Instituto Brasileiro das
  Organizações Sociais de Saúde (IBROSS)

Contato | Newsletter

Rua Dr. Diogo de Faria, 1036 | Vila Clementino
Cep: 04037-003 | Telefone: (11) 5549-7032