Dica Cultural

Rir é melhor remédio!

Rir é melhor remédio!

Na semana em que comemoramos o Dia do Médico, nossa escolha de filme traz a história de um médicoque tinha um jeito peculiar de lidar com seus pacientes. Muito além do jaleco branco, ele usava um nariz vermelho e arte para ajudar e levar alegria a quem precisasse.

O filme começa com Patch Adams (interpretado por Robin Williams) como paciente. Com depressão, e após uma tentativa de suicídio, ele se interna em uma clínica para pessoas com transtornos mentais. Lá, ele fica intrigado ao perceber que praticamente nada é feito para restaurar a saúde mental dos pacientes. Um belo dia ele consegue ajudar um companheiro, de forma hilária, a enfrentar seus medos. Assim, percebe que gosta de ajudar as pessoas e decide se tornar médico.

Ao sair da clínica, ele consegue ingressar no curso de medicina. Na faculdade, ele nota o mesmo problema que o deixara intrigado na clínica: a frieza com que os médicos tratam os pacientes. Patch se dá conta de que falta humanidade nas relações, por isso vai na contramão de tudo isso e decide se tornar um médico humanista. Seu principal instrumento de trabalho é o riso. Mas, com métodos pouco convencionais, Patch vai receber críticas de seus professores e colegas de classe, além de bater de frente com o intransigente reitor da universidade, que pensa até mesmo em expulsá-lo.

Durante sua jornada, o aspirante a médico acaba se apaixonando por Carin Fischer (Monica Potter), uma de suas colegas de faculdade. Mas a garota não acredita nos ideais de Adams e acha que isso só vai atrapalhar seus planos de se tornar uma médica reconhecida. Baseado em fatos reais, o longa mostra como a medicina, muitas vezes vista como uma profissão estritamente técnica e fria, pode, e deve, ter um lado mais humano. Os médicos devem se lembrar de que por trás da doença, há uma pessoa que ri, chora e sente medo, assim como eles próprios. O filme também destaca como os médicos podem amenizar o sofrimento das pessoas e como nem sempre a solução está apenas em medicamentos e prescrições, muitas vezes o melhor remédio é mesmo rir!

Robin Williams está com uma atuação impecável e, como sempre, consegue mesclar drama e comédia na medida certa e com maestria. O trabalho de Patch Adams foi muito questionado na década de 80, principalmente por seus métodos pouco ortodoxos. Em 1993, ele escreveu um livro sobre sua carreira, explicando porque usava o humor para tratar seus pacientes. Seu trabalho inspirou muita gente pelo mundo inteiro, resultado disso são as muitas ONGs que surgiram com o mesmo propósito de Adams: levar alegria e amenizar o sofrimento das pessoas. Um dos exemplos mais conhecidos aqui no Brasil são os Doutores da Alegria.

O filme é cativante e recebeu uma indicação ao Oscar e duas ao Globo de Ouro. Vale a pena assistir e, como diz o próprio título, ser contagiado por essa história.

Patch Adams – O Amor é Contagioso (Patch Adams, 1998, EUA) dirigido por Tom Shadyac, com Robin Williams, Josef Sommer, Bob Gunton, Daniel London, Monica Potter, Philip Seymour Hoffman, Irma P. Hall, Harve Presnell.

 2784
(0 votos)
   
   

logo IBROSS
  Filiada ao Instituto Brasileiro das
  Organizações Sociais de Saúde (IBROSS)

Contato | Newsletter

Rua Dr. Diogo de Faria, 1036 | Vila Clementino
Cep: 04037-003 | Telefone: (11) 5549-7032