Notícias

Pipa? Só se for sem cerol

Pipa? Só se for sem cerol

No mês de férias, o HMB alerta para os riscos dessa diversão

O mês mais aguardado pelas crianças é julho, o período em que a rotina de acordar cedo e ir para escola é substituída pela ocupação que elas mais gostam: brincar. Além do futebol e da amarelinha, outra brincadeira de rua muito popular é soltar pipa, que, assim como todos os entretenimentos infantis, também precisa de atenção.  Por isso, especialmente para este mês de férias, o Hospital Municipal de Barueri (HMB), unidade da Prefeitura de Barueri gerenciada em parceria com a Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM), alerta para os riscos deste divertimento tanto para quem brinca quanto para os transeuntes.

A principal preocupação é a linha usada para cortar outras pipas, como, por exemplo, a linha com cerol, uma mistura de cola e vidro moído, e a linha chilena, feita com componentes de alumínio e quartzo. É importante ressaltar que o uso desses itens é considerado crime previsto em lei estadual, acarreta em multa e responsabiliza os pais, quando o infrator é menor de idade.

Recentemente, o HMB recebeu o caso grave do João Vitor Valverde, 9 anos, que sofreu um corte profundo no pescoço e no ombro esquerdo por linha de cerol, quando estava indo de bicicleta para a casa da avó. “Agora, eu penso até em fazer uma campanha para ninguém mais usar cerol”, comenta Jurandir Valverde, pai do João, que estava com o filho na hora do acidente e testemunhou o perigo que a brincadeira oferece.

João Vitor precisou passar por uma cirurgia de reconstrução dos tecidos dos órgãos afetados. “A rapidez no primeiro atendimento e no encaminhamento para o centro cirúrgico, em conjunto com a agilidade de toda a equipe de médicos, enfermeiros e anestesistas fizeram diferença no socorro,” conta o cirurgião geral Lucas de Andrade, que enfatiza que o cerol pode causar lesões graves, e até fatais, em estruturas importantes como veias e artérias.  

Devido ao risco para os motociclistas, foi criada a antena corta-pipas, obrigatória apenas para motos destinadas ao transporte remunerado, mas que representa uma medida de segurança eficaz, com preço acessível e fácil de ser encontrada. A instalação pode ser feita pelo próprio condutor no guidão ou no retrovisor.

Soltar pipa é uma diversão saudável, pois permite que a criança se movimente e se distraia sem o uso de aparelhos eletrônicos, porém, só pode ser realmente considerada saudável quando não coloca em risco a saúde das pessoas. Por isso, pipa só se for sem cerol e em lugar apropriado, longe de vias movimentadas, fios de alta tensão e locais altos.

 733
(0 votos)
   
   

logo IBROSS
  Filiada ao Instituto Brasileiro das
  Organizações Sociais de Saúde (IBROSS)

Contato | Newsletter

Rua Dr. Diogo de Faria, 1036 | Vila Clementino
Cep: 04037-003 | Telefone: (11) 5549-7032