Notícias

Hospital de Transplantes de SP realiza de caminhada em prol da doação de órgãos

Hospital de Transplantes de SP realiza de caminhada em prol da doação de órgãos

Evento faz parte da campanha Setembro Verde, mês em que instituição comemora 1.480 transplantes realizados

O Hospital Estadual de Transplantes Euryclides de Jesus Zerbini, unidade localizada na capital paulista e gerenciada em parceria com a SPDM - Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina, realizou no último domingo, 15, em parceria com a Associação Brasileira de Transplante de Órgãos, a VI Caminhada Doando Vida.   

O evento, que reuniu cerca de mil participantes, faz parte da campanha Setembro Verde, criada para orientar e conscientizar a população sobre a importância da doação de órgãos e tecidos.  

Este é o terceiro ano em que o Hospital de Transplantes participa da caminhada, comemorando agora em setembro a marca de 1.480 transplantes realizados na instituição desde o ano de 2010. 

De acordo com Maria da Paz, enfermeira e membro da comissão de organização da caminhada, este tipo de ação ajuda na conscientização da população. "O ato de orientar e mostrar às pessoas a importância na doação de órgãos para salvar vidas é fundamental e todos os anos nós nos empenhamos em não só levar essas informações para a avenida mais movimentada do país, mas também comemorar com aqueles que receberam um órgão e hoje podem estar com a gente nesta caminhada, motivando cada vez mais gente", explica. 

COMO DOAR 

A conscientização da população quanto à doação de órgãos e tecidos é fundamental para que mais pessoas sejam atendidas e salvas. Devido a quantidade de órgãos que podem ser doados, é importante sempre lembrarmos que cada doador pode salvar, em média, oito vidas doando fígado, córnea, rins, pâncreas, coração, pulmão e ossos, dependendo das condições do paciente. 

Considera-se um potencial doador quando há morte encefálica diagnosticada por exames neurológicos e, após isso, a família é consultada e orientada quanto ao processo da doação. Por isso, para doar, o principal passo é comunicar este desejo aos familiares. 

No caso de doações entre pacientes vivos (parte do fígado e um dos rins), é permitida entre cônjuges ou parentes consanguíneos até quarto grau. Para qualquer outra pessoa, a doação é realizada apenas mediante avaliação em Comissão de Ética do hospital e autorização judicial.

 423
(0 votos)