Notícias

Especialistas advertem que misturar energético e álcool pode levar à morte

Especialistas advertem que misturar energético e álcool pode levar à morte

O Carnaval chegou e com ele, além de muita alegria e descontração o perigo para aqueles que exageram nas misturas de bebidas alcoólicas com enérgicos para suportar o ritmo da festa. No entanto, especialistas fazem um alerta: essas combinações de bebidas  podem estragar não apenas a folia, mas causar desde uma arritmia simples até uma morte súbita.

Segundo informa Luiz Pereira de Magalhães médico e presidente da Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (SOBRAC) “o grande problema é quando as pessoas exageram e desrespeitam os limites do próprio corpo. A mistura de álcool com energético pode levar o individuo a uma morte súbita”, alertou o Presidente.

De acordo com o especialista, idosos e pessoas hipertensas merecem atenção especial e devem evitar as misturas de bebidas com energéticos assim como a anfetamina e outras drogas que potencializam o efeito provocando arritmias ou ataque cardíaco. O médico salienta que o Carnaval é uma festa que exige muito esforço e condicionamento físico. Por isso, a recomendação é dormir no mínimo seis horas entre um dia e outro de folia e fazer alimentação leve antes da festa, para evitar cair nas armadilhas do álcool.

 O cardiologista destaca que entre os principais fatores de risco está a associação entre álcool e bebidas energéticas. “Esta mistura, ou seu consumo excessivo, pode funcionar como catalizador para a geração de algumas arritmias cardíacas, como as extra-sístoles - arritmia supraventricular e ventriculares -, e a fibrilação atrial”, relata o cardiologista.

Existe inclusive um quadro chamado de “Holiday Heart Syndrome” (Síndrome do Coração do Feriado), relativo ao desenvolvimento de fibrilação atrial relacionado a épocas de mudança de hábitos, geralmente com grande ingestão de álcool em um período muito curto, como no Carnaval. As extra-sístoles, junto com a fibrilação atrial, estão muito relacionadas à ingestão alcoólica, tabagismo e desidratação. “Cada dose de bebida alcoólica aumenta em quase 10% a chance de se apresentar um episódio de fibrilação atrial. Além disso, os energéticos podem contribuir para o aparecimento das arritmias cardíacas, já que esses contêm cafeína”, pontuou o médico.

Alerta vermelho

De acordo com o especialista, idosos e pessoas hipertensas devem se submeter a avaliação médica cardiológica para esclarecimento diagnóstico e orientação mais adequada para atividade física e ingestão de bebidas. Desta forma estarão mais seguros e poderão aproveitar a folia de maneira saudável, porém com moderação.

As arritmias podem atingir pessoas de qualquer sexo, classe social e faixa etária, podendo acometer também atletas e pessoas ativas.

Por isso, sensações recentes e intensas, como palpitações, dor no peito, falta de ar e desmaios, devem ser investigadas. O recomendado é que, a qualquer um destes sintomas, procure atendimento médico o mais rápido possível.

Falta de sono

O médico salienta que o Carnaval é uma festa que exige muito esforço e condicionamento físico e a privação do sono é outro aspecto relevante que os foliões devem prestar atenção. A falta de repouso eleva as chances de problemas cardíacos, como a pressão arterial, a isquemia e as arritmias cardíacas.

“O coração pode ficar mais rápido e mais irregular, já que a falta de sono deixa a pessoa com uma carga de adrenalina maior. Por isso, a recomendação é que o folião durma no mínimo seis horas entre um dia e outro de festa e ingira alimentos leves antes de ir brincar o  carnaval,  para evitar cair nas armadilhas do álcool”, orientou.

Fonte: IG

   
   

logo IBROSS
  Filiada ao Instituto Brasileiro das
  Organizações Sociais de Saúde (IBROSS)

Contato | Newsletter

Rua Dr. Diogo de Faria, 1036 | Vila Clementino
Cep: 04037-003 | Telefone: (11) 5549-7032