Notícias sobre saúde

Luto: a dor da perda é insuportável, mas transitória

Luto: a dor da perda é insuportável, mas transitória

Só quem já perdeu alguém próximo sabe a dor e a confusão emocional que é lidar com essa ausência. Vários sentimentos (como tristeza, raiva, saudade, frustração, impotência, solidão), se misturam em uma coisa só, que chega a doer fisicamente. E em meio a esse caos, vem a necessidade de reconstruir o mundo sem essa pessoa.

“Qualquer um de nós viveu, vive ou viverá luto algum dia. A dor da perda, por exemplo, de uma pessoa querida, de uma condição que gostamos muito (trabalho, posição social...) pode-nos parecer ‘insuportável’, de início. Perder uma pessoa de nosso vínculo por rompimento ou morte pode gerar um estado mental de tristeza, desânimo, falta de interesse pelo mundo, um enorme sofrimento. Isso é luto”, explica Guilherme Gregório, psiquiatra, supervisor médico em Saúde Mental do Programa de Atenção Integral à Saúde, PAIS, da SPDM.

O luto não está exclusivamente ligado à morte, pode ser vivenciado também quando do fim de um relacionamento, numa situação de doença grave, a perda de um emprego, uma situação extrema ou, ainda, em casos de acidentes graves que resultam em alguma forma de incapacidade. São situações nas quais, no primeiro momento, parece, para a pessoa que sofre, como se fosse o “fim do mundo”

Esse estado de sofrimento extremo, na maior parte das vezes, não perdura no tempo. “A superação do luto ocorre gradativamente; vamos recuperando a energia, e o nosso Eu vai voltando a se organizar e se fortalecer”, explica o psiquiatra.

Luto ou depressão?

Cada pessoa lida de uma forma diferente com seus sentimentos, e cada um tem seu jeito de reagir ao luto, mas o psiquiatra adverte: “tentarmos nos enganar, driblar o luto, sermos ‘fortes’, fingir que não é nada não é o mais adequado; é melhor aprendermos com a dor da perda, buscarmos nossas estratégias de superação e consideramos que a maioria de nós passa pelo luto, sem necessidade de apoio de especialista”.

Há sim quem, aparentemente, não é afetado pelo impacto do luto, são pessoas que não choram no velório ou funeral, mostram-se fortes, resilientes, com retorno à vida cotidiana em pouco tempo. Dentre esses, porém, há um outro grupo que, depois de um tempo, passam a apresentar sintomas emocionais e físicos que podem evoluir para a depressão.

No luto, tanto os sintomas quanto a disposição da pessoa afetada são parecidos com o da depressão, com a diferença que o luto é transitório e, nele, não temos a autorrecriminação típica da depressão.

“Tanto a pessoa enlutada, que perdeu uma pessoa próxima, quanto seus familiares e amigos e profissionais da saúde devem estar atentos para os sinais, pois o luto pode se desenvolver para uma depressão, ou seja, de um transtorno que precisa de tratamento especializado”, alerta Guilherme.

Fases do luto

Vários autores que trataram do tema, como Sigmund Freud, o pai da psicanálise, filósofos, médicos e escritores, mas foi a psiquiatra suíça Elizabeth Kübler-Ross, psiquiatra suíça, que, em seu livro de 1969, apontou os possíveis cinco estágios da morte, do luto, da perda:

1- Negação e isolamento, quando temos a sensação de que aquela pessoa que perdemos pode entrar a qualquer momento pela porta. É um mecanismo de defesa, momento em que temos dificuldade em aceitar, acreditar que realmente aconteceu. Nessa fase, são comuns frases como: “Isso não pode estar acontecendo!”

2- Cólera ou raiva, quando a inconformidade dá lugar à revolta, a sentimentos como raiva e ressentimento, quase sempre projetados no ambiente externo, como se o mundo, os outros, Deus, fossem causadores do sofrimento. Nesse momento são comuns frases como: “Por que eu? Não é justo!”

3- Negociação, fase em que faríamos tudo que as coisas voltassem a ser como eram antes, sem perda, sem dor. Fazemos aqui um tipo de negociação, muitas vezes apenas interna, algumas vezes de cunho religiosa. As frases mais comuns da negociação são do tipo: "Me deixe viver apenas até meus filhos crescerem", “Vou mudar, vou parar de beber e fazer tudo certo agora”.

4- Depressão, o momento de tristeza profunda, desolação, desesperança, medo. Ocorre aqui um período de introspecção e necessidade de isolamento. O choro constante muitas vezes vem acompanhado de pensamentos como: "Nada mais vale à pena”, ou “Não consigo lidar com isso”.

5- Aceitação, quando o sofrimento não é tão debilitante, e aprendemos com a dor, nos preparamos para seguir em frente, para voltarmos às nossas atividades. A mente, mais clara, abre espaço para pensamentos como “tudo vai acabar bem”.

Essas cinco fases fazem parte do luto, mas a duração e intensidade de cada fase variam. É que, além do jeito pessoal de cada um lidar com seus sentimentos, a morte não traz apenas a perda de uma pessoa querida, mas de todo o contexto, como suas funções dentro de uma casa, suas atividades, e isso influencia na adaptação do enlutado.

Cada um com seu tempo

No período do luto, é desaconselhável tomar qualquer decisão importante. Mas é importante que haja espaço para cada um. “Podemos falar, ler, trocar experiências e, principalmente, não termos vergonha de nossa dor. Ela não é exagerada, ela é do nosso tamanho! E é transitória. A sombra do luto pode ficar em nós, mas a dor pode ser amenizada. As pessoas próximas podem acolher, procurar compreender, sem negar a condição do luto; devem ser tolerantes, permanecendo ao lado, em condição de apoio ou disponibilidade à pessoa enlutada, permitindo que essa pessoa possa falar e se abrir e não se sentir sozinha”, ensina o psiquiatra.

Assessoria de Imprensa da SPDM

 6805
(8 votos)
   
   

logo IBROSS
  Filiada ao Instituto Brasileiro das
  Organizações Sociais de Saúde (IBROSS)

Contato | Newsletter

Rua Dr. Diogo de Faria, 1036 | Vila Clementino
Cep: 04037-003 | Telefone: (11) 5549-7032