Notícias sobre saúde

Andar descalço ou pintar as unhas em salão de beleza pode ser uma armadilha

Andar descalço ou pintar as unhas em salão de beleza pode ser uma armadilha

Verão é sinônimo de muito calor, diversão, piscina, praia e suor. Mas cuidado, nem tudo é diversão: os cuidados com a saúde não podem ser negligenciados.

As temperaturas mais altas e a umidade são o paraíso dos fungos, causadores de micoses nas dobrinhas e partes mais escondidas do corpo, como o meio dos dedos dos pés, virilha e couro cabeludo. É que esses são lugares que geralmente não secamos direito após o banho, e no caso dos pés, que passam o dia dentro de sapatos quentes.

"A micose é transmitida por vários tipos de fungos presentes principalmente no solo, por isso é comum nos pés, mas não ocorre só lá", explica Camila Kallaur, dermatologista do Ambulatório Médico Especialidades (AME) de São Jose dos Campos.

A micose pode ser superficial, quando afeta pele e unha, ou profunda, quando afeta outros órgãos. O fungo causador gosta de locais quentes, e não perdoa nem o couro cabeludo, local em que pode piorar um quadro de dermatite seborréica, a famosa caspa.

A frieira é um tipo comum de micose, que afeta principalmente os meios dos dedos dos pés, causando vermelhidão, descamação e coceira. Nas unhas, causa "esfarelamento" e alteração de cor.

O tratamento pode ser simples, com cremes, loções e talcos antifúngicos que um médico pode prescrever, mas quando afeta as unhas, ou em casos mais extensos, pode precisar de medicação oral e demorar até dois ou três anos para curar. "Seguir o tratamento de forma correta é muito importante. Pode até ser cansativo ficar tanto tempo medicando, mas do contrário, o fungo pode ficar mais forte e o tratamento durar mais", alerta a dermatologista.

Outro inconveniente da micose é que ela é transmissível, embora não facilmente como uma gripe. "É preciso um contato prolongado e rotineiro, como dividir sempre os calçados para que seja contagioso, e estudos indicam que até mesmo o pincel de esmaltes compartilhado seja um risco", alerta Camila Kallaur.

Apesar de não apresentar grandes complicações por si só, em associações com outras doenças, a micose pode levar à quadros graves, como em portadores de diabetes ou doenças. "É uma porta de entrada para outros microorganismos, como bactérias, levando à eripsela", explica a dermatologista.

Para não deixar a micose estragar o verão, é melhor começar a ver onde pisa descalço. Solos molhados e contaminados, como bordas de piscina, pisos de vestiários, clubes e banheiros públicos, requerem chinelos.

A dermatologista Camila Kallaur lista algumas dicas para se proteger e evitar as frieiras:

- Higiene é prevenção para muitas doenças, e também para micoses. Lave bem, com água e sabão, as regiões mais escondidas em dobrinhas, como a virilha e os dedos dos pés, e depois seque bem direitinho, porque é na umidade que o fungo se prolifera.

- Na manicure, leve sempre seu alicate e outros objetos, inclusive esmalte. "O processo de esterilização nos salões geralmente é suficiente para evitar o fungo, mas precisa de regulação e testes mensais que por vezes não são feitos, o que pode deixar o processo falho", alerta a dermatologista. Sobre os cuidados com seus objetos pessoais, ela completa: "basta lavar com água e sabão, e deixar de molho em álcool 70 graus por dez minutos. Esse procedimento é importante para evitar o autocontágio, que além de afetar partes ainda sãs, pode prejudicar o processo de cura", explica.

- Não andar descalço e evitar os mesmos sapatos, com forros e muito fechados. Após uso prolongado, deixe os sapatos descansando em área arejada, principalmente ao sol.

- Não compartilhar calçados.

- Manter as unhas bem cortadas e evitar que elas encravem.

- Usar desodorantes e talcos específicos para os pés regularmente.

 3880
(4 votos)
   
   

logo IBROSS
  Filiada ao Instituto Brasileiro das
  Organizações Sociais de Saúde (IBROSS)

Contato | Newsletter

Rua Dr. Diogo de Faria, 1036 | Vila Clementino
Cep: 04037-003 | Telefone: (11) 5549-7032