Notícias sobre saúde

Crianças requerem cuidados especiais no calor, afirmam pediatras

Crianças requerem cuidados especiais no calor, afirmam pediatras

Verão é sempre uma alegria para a criançada, e se tiver praia, piscina ou área verde, melhor ainda. Para aproveitar a farra sem dor de cabeça, não se pode esquecer que os pequenos requerem determinadas precauções.

Todos estamos expostos a virose, desidratação, queimadura de sol, intoxicação alimentar e outros riscos próprios do verão, mas “crianças são mais sensíveis que adultos, por isso, é preciso atenção para exposição a raios solares e a adoção de cuidados especiais no calor”, afirma Christiany Cavalcante, pediatra e Diretora Médica do Hospital Municipal Dr. José de Carvalho Florence (HMJCF), de São José dos Campos, em São Paulo.

Com bebês de até três meses esses cuidados deve ser redobrados. “Seu sistema de termorregulação é ainda imperfeito, o que dificulta os recém-nascidos de manter a temperatura corporal própria”, explica Daniela Rezende dos Santos Valadares, pediatra do HMJCF, “e por isso são muito sensíveis às mudanças de temperatura do ambiente, que pode até ocasionar crise convulsiva febril, relacionada ao aumento rápido da temperatura corporal”, completa a médica.

Banho de sol

Protetor solar, água fresca, frutas, chapéu, óculos escuros (para bebês e crianças, sim senhor!) e roupas secas. Esses itens são essenciais para garantir a diversão nas férias de verão. E não é preciso receio: o sol é um grande aliado das crianças desde os primeiros dias de vida, desde que seja aproveitado na hora certa.

“Bebês e crianças devem tomar banho de sol diariamente para suprir as necessidades de vitamina D. Mas o filtro solar só é permitido após os seis meses de vida”, explica Christiany.

As regrinhas são: antes das 10h ou após as 16h. Para os bebês, é recomendado de 10 a 20 minutos de exposição do corpo uma vez ao dia, e os maiores podem ficar até uma hora e meia. Braços, pernas e parte do tronco podem passar mais tempo fora da área sombreada, mas as cabecinhas pedem chapéu ou boné o tempo todo.


“O horário entre as 10 e as 16 horas é quando ocorre maior incidência da radiação solar. Havendo necessidade de as crianças permanecerem expostas ao sol nesse período, deve ser preconizado o uso de bonés, chapéus com abas, camisetas de algodão, vestimentas com protetor solar, aplicado 20 minutos antes da exposição ao sol e reaplicado a cada contato com a água, preferencialmente. Esses produtos devem ter proteção UVB e também UVA”, ensina Daniela.

Hidratação

Beber água, no calor, é imperativo. Cuide para que os pequenos bebam água, mesmo quando afirmarem não estar com sede. Água de coco natural é saudável, assim como sucos naturais e chás.

“Bebês que mamam exclusivamente no peito estão adequadamente supridos da necessidade de outros líquidos, não sendo necessário, nem recomendável, o fornecimento deles”, alerta Christiany. Não é recomendável também pular refeições, que “nos dias mais quentes, devem ser leves, com abundância de frutas frescas, legumes, verduras e carnes magras. Evite comidas muito gordurosas e locais com higiene duvidosa”, completa a pediatra.

Sinais de Insolação

Os pais devem ficar em alerta quando seus filhos, após permanecerem expostos ao sol, apresentarem o seguinte quadro: febre alta, a partir de 39ºC; pele muito vermelha, quente e seca; vômitos e sede; boca e língua secas, lábios rachados e choro sem lágrimas. E não se esqueça: protetor solar não protege contra a insolação.

 3591
(2 votos)
   
   

logo IBROSS
  Filiada ao Instituto Brasileiro das
  Organizações Sociais de Saúde (IBROSS)

Contato | Newsletter

Rua Dr. Diogo de Faria, 1036 | Vila Clementino
Cep: 04037-003 | Telefone: (11) 5549-7032