Notícias sobre saúde

Tuberculose, a doença não tão silenciosa

Tuberculose, a doença não tão silenciosa

Dia 24 de março é o Dia Mundial de Combate à Tuberculose, e nós temos boas notícias: segundo o Ministério da Saúde, nos últimos 17 anos, o Brasil experimentou uma queda de 38,7% na taxa de incidência da doença e 33,6% na taxa de mortalidade por tuberculose. A meta brasileira agora é chegar em 2035 com uma redução de 95% nas mortes e 90% na infecção por tuberculose no País, para bater as metas dos Objetivos do Milênio (ODM), estabelecidas pela Organização das Nações Unidas (ONU) em 2000, com o apoio de 191 nações.

Apesar da boa notícia, não temos ainda muito a comemorar. Todos os anos 70 mil brasileiros pegam tuberculose e cerca de 4,6 mil morrem por isso. Entre os 22 países responsáveis por 80% dos casos da doença no mundo, o Brasil ocupa o 17º lugar.

“Se formos olhar no mapa, esses 22 países que concentram a doença têm em comum uma taxa populacional grande, um produto interno bruto (PIB) muito baixo, pouca educação, estão em região tropical e são pobres”, aponta Campbell Guerra, pneumologista do Hospital Municipal José de Carvalho Florence, de São José dos Campos, unidade gerenciada pela Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM).

Tuberculose no mundo

Juntas, a AIDS e a tuberculose são as principais causas de morte entre as doenças infecciosas e é comum que elas andem juntas, pois se aproveitam da baixa imunidade. No mundo, das 9 milhões de pessoas infectadas por tuberculose anualmente, cerca de 1 milhão e 500 mil morrem, segundo a Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), entidade vinculada à Organização Mundial da Saúde (OMS).

Isso em números oficiais. Estima-se que um terço da população mundial, mais de dois bilhões de pessoas, esteja infectado pelo Mycobacterium tuberculosis ou Bacilo de Koch (BK), e que apenas uma parte, cerca de 10%, adoeça por isso.

“Quando uma pessoa tem contato com alguém com tuberculose, é uma porta de entrada do bacilo, mas se ela se cuida, se seu sistema imunológico está em equilíbrio, esse bacilo fica lá, adormecido, calcificado pelo organismo, não desenvolve a doença”, explica Campbell.

Doença silenciosa

O mais assustador é que, segundo a OMS, três milhões de doentes não foram diagnosticados, ou não estão sendo tratados ou não foram registrados oficialmente em algum programa oficial de atendimento à pacientes com a doença. Isso significa que muitos irão morrer sem sequer saber que estão doentes – e que poderiam se tratar – sendo que a maioria vai infectar outras pessoas. E esses números permanecem estáveis já há longos sete anos.

“Essas pessoas estão longe dos grandes centros urbanos, geralmente concentrados em periferia e muitos não sabem que tem a doença. Nem sabem sobre a doença. Os sintomas são coisas simples, como tosse, talvez com catarro, febre, uma preguiça até de comer. Com isso, a pessoa não procura um médico e deixa de fazer o diagnóstico”, alerta o pneumologista.

O alentador é que, uma vez diagnosticada, a tuberculose tem cura. O tratamento dura seis, nove, até 12 meses, com antibiótico, com resultado muito satisfatório: segundo a OPAS, das pessoas doentes que seguiram o tratamento completo em 2013, 86% foram curadas. Mas é preciso seguir o tratamento à risca, sem interrupção, sem abandono.

“O tratamento pode ser desagradável, dar algumas reações adversas, como dor de estômago ou algum mal-estar. O paciente pode se sentir melhor e por isso alguns deixam o tratamento de lado. Se o processo for seguido certinho, o caminho natural é a alta por cura, com uma taxa de sucesso muito grande”, explica Campbell Guerra.

Mas afinal, o que é tuberculose?

A tuberculose (TB) é uma doença infecto-contagiosa, causada por um bacilo chamado Mycobacterium tuberculosis ou Bacilo de Koch (BK), que afeta principalmente, mas não apenas, os pulmões.

O contágio se dá diretamente, de pessoa a pessoa, por contato de proximidade, através da saliva – sabe aquelas gotinhas que saem da boca quando falamos, tossimos ou espirramos? Elas podem carregar o agente infeccioso que será aspirado por outras pessoas.

Alguns fatores, como má alimentação, falta de higiene, tabagismo, alcoolismo e situações que deixam o sistema imunológico deficiente deixam o indivíduo mais vulnerável à doença. Por isso que ela ocorre principalmente em países subdesenvolvidos. Pobreza e má distribuição de renda são determinantes e alguns grupos populacionais (como portadores de HIV, pessoas em situação de rua e os privados de liberdade) estão mais expostos à doença, por conta das condições de vida e saúde a que estão submetidos.

A doença é curável e no Brasil toda a rede do Sistema Único de Saúde (SUS) disponibiliza o tratamento. O quanto antes for feito o diagnóstico, maiores as chances de sucesso no tratamento. Por isso, fique atento aos principais sintomas:

- Tosse seca contínua e duradoura, que pode apresentar secreção com o passar do tempo.
- Cansaço excessivo repentino, sem que haja mudança na rotina.
- Febre baixa, geralmente à tarde.
- Sudorese noturna.
- Perda de apetite.
- Palidez.
- Perda de peso repentino.
- Rouquidão.
- Fraqueza e prostração.

 4909
(3 votos)
   
   

logo IBROSS
  Filiada ao Instituto Brasileiro das
  Organizações Sociais de Saúde (IBROSS)

Contato | Newsletter

Rua Dr. Diogo de Faria, 1036 | Vila Clementino
Cep: 04037-003 | Telefone: (11) 5549-7032