Notícias sobre saúde

Surto de sarampo na Europa chama a atenção para os movimentos antivacina

Surto de sarampo na Europa chama a atenção para os movimentos antivacina

Doença é altamente contagiosa e em adultos pode ter graves complicações

No início deste ano, mais de 1.500 casos de sarampo foram registrados em mais de 14 países europeus, incluindo Alemanha, Itália, Romênia, Portugal e França. Mais de 80% dos infectados não tinha tomado vacina contra o sarampo. Especialistas afirmam que falhas nas campanhas de vacinação causaram o surto, além de movimentos antivacina. Entre 2016 e 2017, mais de 5.800 casos de sarampo foram relatados na Europa. Já nos Estados Unidos, os grupos antivacina crescem com mais força ainda - o país já registrou uma epidemia da doença em 2015.

Contrários à prevenção de doenças por imunização, seja por razões filosóficas ou médicas, os grupos antivacina estão crescendo perigosamente no mundo inteiro.

A vacina é um marco na história da humanidade, responsável pela erradicação da varíola no mundo, da poliomielite nas Américas e pela diminuição do risco de uma série de doenças, como coqueluche, tétano, difteria, tuberculose, sarampo, entre outras.

De tempos em tempos, grupos antivacina surgem e quando ganham muita força em determinados lugares, gerando insegurança nos pais que passam a não querer vacinar seus filhos, o perigo de uma epidemia aumenta muito.

Sarampo

O sarampo é uma doença infecciosa, causada por um vírus, que acomete principalmente crianças, mas pode acontecer em qualquer idade. “A transmissão acontece principalmente por via respiratória, ou seja, a pessoa elimina o vírus pela respiração quando espirra ou tosse, disseminando a doença. Exatamente por conta disso, o sarampo é uma doença com alto risco de contágio”, explica Braulio de Melo Araujo, infectologista do Hospital Geral de Pirajussara, unidade administrada em parceria com a Associação Paulista para o Desenvolvimento da Medicina (SPDM).

Os principais sintomas são febre alta, prostração, manchas na pele (pequenas pintas avermelhadas) que tendem a se espalhar pelo corpo inteiro, conjuntivite bilateral, dor de garganta, tosse com catarro e coriza.

“Apesar de deixar a criança debilitada, o sarampo é uma doença que geralmente evolui bem. Mas esta evolução é bem diferente em crianças com a saúde debilitada, em adultos ou em qualquer pessoa com imunodeficiência”, explica o infectologista. Nestes casos, não é incomum que a doença se complique com infecções bacterianas nos pulmões, causando pneumonia, e nos ouvidos, causando otite.

Grande parte dos casos registrados na Europa foram de pessoas que já estavam na idade adulta, justamente quando a doença tende a ser mais grave.

Prevenção

A vacina contra o sarampo faz parte do Calendário Nacional de Vacinação, sendo oferecida gratuitamente em postos de saúde, e é a principal forma de prevenção da doença. “A tríplice viral, ou SCR, é uma vacina conjugada que protege contra 3 doenças: sarampo, caxumba e rubéola”, explica Braulio Araujo.

Em São Paulo, ela é oferecida a toda criança aos 12 meses de vida, podendo ser repetida após três meses. A segunda dose vem acrescida de um componente que protege também contra a varicela, nossa conhecida catapora, por isso essa segunda dose se chama vacina tetraviral.

De acordo com o especialista, caso a vacina não tenha sido administrada durante a infância, pode ser tomada durante a vida adulta sem problema algum.

Os grupos antivacina alegam que a vacina contra o sarampo está relacionada ao autismo. É preciso frisar que não há nenhuma evidência científica que baseie tais teorias. “Há uma grande gama de informação não oficial sobre a possibilidade de relação entre vacinas, doenças imunes e autismo. É importante informar à população que instituições oficiais como o American College of Pediatricians (Associação Americana de Pediatria), o Center for Disease Control and Prevention (Centro de Controle e Prevenção de Doenças), a Associação Brasileira de Pediatria, o Ministério da Saúde, entre outras autoridades e entidades, são explícitos em apoiar a prática de vacinação”, diz o infectologista.

“É claro que nenhum tratamento medicamentoso está isento de efeitos colaterais e os pais devem estar cientes disso”, lembra o especialista. Mas no caso da vacina, os efeitos colaterais, que raramente são graves, não se comparam aos benefícios trazidos.

 

 2345
(0 votos)
   
   

logo IBROSS
  Filiada ao Instituto Brasileiro das
  Organizações Sociais de Saúde (IBROSS)

Contato | Newsletter

Rua Dr. Diogo de Faria, 1036 | Vila Clementino
Cep: 04037-003 | Telefone: (11) 5549-7032