Notícias sobre saúde

Como o sono afeta o seu corpo?

Como o sono afeta o seu corpo?

Fundamental para a saúde, mas com muitas perguntas a serem respondidas. Assim é o sono. Ele nos afeta de várias formas, dependendo das particularidades de cada um. Para o neurologista Sérgio Rubens Leme de Souza, do Ambulatório Médico Especialidades (AME) Maria Zélia, diversos fatores influenciam até o próprio conceito de sono.

“Dormir é um uma parte indispensável da existência humana, como comer, mas nem a própria ciência sabe 100% o que é e para que serve o sono”, explica o neurologista. Uma das definições que melhor servem para ilustrar a afirmação de Sérgio vem do neurobiólogo John Eccles e do filósofo da ciência, Karl Popper: “o sono é uma inconsciência usual e repetitiva que não sabemos exatamente para o que serve”.

Mas sabemos que o sono acarreta sim uma série de benefícios para a saúde, auxiliando o organismo a manter-se equilibrado, que vamos detalhar a seguir.

Por quanto tempo devemos dormir?

O número de horas diário de sono varia de pessoa para pessoa, pois as necessidades individuais de cada um são estabelecidas por fatores genéticos, ambientais, de aprendizado, de saúde, atividades físicas e questões biológicas próprias.

“Dizem que Napoleão Bonaparte dormia de duas a três horas diárias e era um gênio, um grande estrategista, não causando grandes problemas à sua atividade diária” conta Sérgio, que completa: “algumas pessoas precisam de 10 a 12 horas de sono, enquanto outras se sentem bem com apenas quatro ou cinco horas dormidas diariamente”.

O padrão individual de sono é criado por volta dos quatro ou cinco anos de idade, seguindo uma tendência natural: “de uma maneira geral, crianças dormem mais. Bebês de até quatro meses dormem de 16 a 20 horas por dia, mas essa necessidade vai diminuindo. Até os oito anos de idade, a criança dorme entre 10 e 12 horas e, a partir dos 10 anos, ela precisa de nove a 10 horas diárias. Já a partir da adolescência são necessárias apenas de sete a oito horas de sono. Os idosos dormem cerca de seis a sete horas por dia e isso basta”, conta o neurologista.

Conforme ficamos mais velhos, acordamos com mais freqüência de madrugada. Cada acordar nos leva, durante o dia, à pequenas pestanejadas que duram alguns segundos, chamadas de microsleeps. As mulheres têm ainda outra particularidade: a partir dos 35 anos, elas têm a tendência de dormir mais do que os homens.

O que acontece no seu corpo quando você dorme

Você está tranquilo, relaxado, no seu quarto escurinho, deitado nos seus lençóis limpinhos e no seu colchão macio. Vai fechando os olhos aos poucos e todo seu pensamento vai ficando longe, longe.

Nesse primeiro momento, seu corpo vai perdendo a temperatura aos poucos, a respiração vai ficando irregular e os batimentos cardíacos e a pressão sanguínea diminuem.  Esse estágio, de sono profundo, que ocorre mais ou menos meia hora após dormirmos, é conhecido como não REM (Rapid Eye Movement ou Movimento Rápido dos Olhos).

É nesse momento que começa a liberação de alguns hormônios vitais para o funcionamento do organismo, como o do crescimento (Growth Hormone, GH), muito importante até a idade adulta, que atua diretamente no crescimento da criança e ainda ajuda a manter o tônus muscular, o acúmulo de gordura, melhora o desempenho físico e combate a osteoporose.

A leptina é outro hormônio produzido nas primeiras horas de sono e ela é responsável pela sensação de saciedade, o que explica a necessidade que as pessoas que dormem menos do que necessitam têm de comer, principalmente alimentos ricos em carboidratos – é que elas produzem menos leptina.

A produção de insulina e de cortisol também se beneficia de um sono saudável. Quando dormimos o suficiente, produzimos adequadamente a insulina (hormônio que retira o açúcar do sangue) e diminuímos a quantidade de cortisol, conhecido como hormônio do estresse, que tem efeitos contrários ao da insulina, aumentando a taxa de glicose no sangue.

Ao final desse ciclo a atividade cerebral atinge o seu pico, o relaxamento muscular está no auge e as frequências cardíaca e respiratória voltam ao normal. E temos a maior parte dos sonhos, principalmente daqueles que lembramos com mais detalhes na manhã seguinte. Aqui também aumentamos o consumo de oxigênio e passamos aos poucos para a vigília, o acordar. É o estágio REM.

“Todas as fases são importantes e devem ter uma sequência natural, sem interrupções, para garantir um período de sono saudável”, explica Sérgio.

E quando você é privado do sono?

Há que se levar em conta que privação não é ausência de sono. Estamos falando de 60 a 200 horas sem dormir.

Após 24 horas sem pregar os olhos, nosso sistema mesolímbico (área do cérebro responsável pelas respostas comportamentais aos estímulos e sensação de recompensa) é estimulado e a dopamina (neurotransmissor multitarefa, responsável pelo movimento, memória, comportamento e aprendizagem, atenção, sono, humor, entre outros) é liberada, o que pode dar uma sensação de mais energia, motivação, otimismo e até desejo sexual. Mas não se engane: isso é pura ilusão! Gradativamente começam a surgir a sonolência, a fadiga, o apetite e a irritabilidade. E você passa o dia tendo microsleeps.

Isso porque, pouco a pouco, nosso cérebro vai desativando regiões que se encarregam de planejar e avaliar decisões. Com isso, a concentração começa a ficar comprometida, assim como a atividade motora e a capacidade de julgamento. Vão diminuindo aos poucos, ainda, a atenção, a dificuldade de comunicação e o autocuidado. Ficamos cada vez mais desligados dos fatores externos, o que aumenta o risco de acidentes.

Depois de um ou dois dias sem dormir já não metabolizamos direito a glicose e nosso sistema imunológico começa a falhar, assim como a memória. Após 60 horas em claro, começamos a sofrer com alucinações, ilusões visuais e táteis, euforia e linguagem confusa.

Com a falta de sono, o hormônio do estresse (cortisol) é liberado, o que ocasiona, além da diabetes, uma pele sem brilho, linhas finas e olheirasem torno dos olhos. Isso porque o cortisol pode quebrar o colágeno da pele, a proteína que a mantém lisa e elástica.

Quando a privação do sono é forçada, como em uma situação extrema, ocorre o aumento da pressão arterial, alteração cardiovascular e descontrole da diabetes.

Mitos (ou inconclusões) sobre o sono

Não existe ainda um consenso sobre o volume de privação de sono que pode levar à morte. “Não temos como comprovar essa afirmação. O que já foi feito nesse sentido são experimentos com animais, mas não sabemos em que momento esse efeito ocorre em seres humanos”, explica o neurologista.

Outra afirmação constante é sobre a relação da melhora da capacidade cognitiva com a quantidade de sono diário. Isso não pode ser considerado uma conclusão definitiva, pois cada pessoa tem uma necessidade particular e individual de volume de sono satisfatório.

Receita para uma boa noite de sono

Muitas são as influências que incidem sobre o sono, como doenças, uso de medicamentos, bebidas alcoólicas, meio ambiente e idade, por exemplo.

“Dormir muito não é obrigatório para viver bem. O que é importante é respeitar a genética e as necessidades individuais”, garante Sérgio Rubens Leme de Souza. Para garantir um sono repousante, o neurologista dá algumas dicas preciosas:

- Perto da hora de dormir, faça apenas refeições leves.
- Evite a utilização de bebidas alcoólicas ou medicamentos sem orientação médica.
- Não se exponha a notícias tensas, filmes e imagens de grande intensidade, ou sons estressantes.
- Garanta um ambiente sossegado, limpo, arejado, com pouca luz e silencioso.
- Um colchão adequado e uma boa companhia também influenciam diretamente na qualidade do sono.

Se você apresentar problemas como dificuldades ou privação do sono, procure um médico.

 4365
(8 votos)
   
   

logo IBROSS
  Filiada ao Instituto Brasileiro das
  Organizações Sociais de Saúde (IBROSS)

Contato | Newsletter

Rua Dr. Diogo de Faria, 1036 | Vila Clementino
Cep: 04037-003 | Telefone: (11) 5549-7032